Senac

Rio Grande do Sul

Artigo

Alisantes de cabelos e seus malefícios

por Mariglê Prestes Poletto - Docente Beleza

Atualmente é difícil encontrar uma mulher que não tenha utilizado algum tipo de processo químico em seu cabelo uma vez que influencia na autoestima. A busca pela beleza leva as pessoas a fazerem uso de processos químicos que alterem o aspecto e também as propriedades estruturais da fibra capilar.

Um desses processos químicos é o alisamento capilar, que age alterando a estrutura do cabelo, rompendo as chamadas pontes dissulfeto entre as cadeias de polipeptídeos dos filamentos de queratina, que são constituídas por estruturas e proteínas.  Alisantes capilares são produtos que, além de alisar, reduzem o volume e amaciam os cabelos, porém podem causar irritação na pele, queimaduras na córnea e no couro cabeludo, podendo ocorrer corte e queda da haste, se utilizados inadequadamente.  Os alisantes registrados pela ANVISA não causam danos à saúde sendo que as substâncias permitidas em alisantes de cabelos são: tioglicolato de amônia; hidróxido de sódio; hidróxido de potássio; hidróxido de lítio; hidróxido de cálcio; carbonato de guanidina e hidróxido de guanidina.

A escova progressiva é um método de alisamento como também a escova francesa, alisamento japonês, escova definitiva, entre outras. Todos estes métodos de alisamento não são aprovados pela ANVISA, apenas os produtos que são utilizados nestes procedimentos é que necessitam de aprovação da ANVISA (Maio, 2011). Existem ainda outros métodos de alisamento capilar, pois em cada um dos processos, é aplicado um produto químico diferente.

 

Entre os alisantes capilares está o formol, um alisante proibido pela ANVISA devido aos danos que pode causar à saúde do profissional como também do consumidor. O formol é um composto líquido em forma de solução de formaldeído a 37%. Segundo a legislação sanitária, o uso de formol em produtos cosméticos capilares possui apenas função de conservante tendo sua concentração máxima de 0,2%, sendo que nesta proporção não causa danos à saúde ANVISA (2009), porém não modifica a fibra capilar.

Segundo a ANVISA (2009) o formol pode causar: na pele, irritação, vermelhidão, queimaduras e dor; nos olhos, irritação, vermelhidão, dor, vista embaçada e lacrimação, ao inalar; câncer no aparelho respiratório, dor de garganta, irritação no nariz, tosse, falta de ar, edema pulmonar e pneumonia, sendo fatal em concentrações altas.

Há uma necessidade de abordar e divulgar o mecanismo de ação dos alisantes sob o fio de cabelo e ter o conhecimento dos malefícios do formol nas formulações dos alisantes capilares.

Serviços da escola
Serviços do Senac-RS
Acessos
Serviços
Institucional
Contato
Top of mind 2018
Top de marketing ADVB 2018
Great Place to Work 2018
Top Ser Humano 2018
Nós apoiamos o Pacto Global
Melhores em Gestão 2018